Porto de Santarém se destaca na exportação de grãos para o mercado internacional

Coluna Navegação em Foco, Jornal O Liberal

Localizado no coração da Amazônia, o Porto de
Santarém vem se consolidando como a melhor
rota para a exportação de
grãos. Por ser o caminho
mais curto entre a região
Centro-Oeste e o canal do
Panamá e os portos norte-americanos e europeus,
milhares de toneladas de
grãos, especialmente soja e
milho, passam pela “Pérola
do Tapajós”.
Hoje, o Porto de Santarém assume protagonismo
entre os Portos do Arco
Norte, respondendo por
40% de todo o grão embarcado no Pará. O complexo
portuário de Santarém é
formado pelo terminal da
Cargill para embarque de
grãos e o Porto da Companhia Docas do Pará (CDP). ,
que opera com dois berços
para embarque e desembarque.
A geografia é importante, mas para que os
números crescessem por
aqui, foi necessário investimento em infraestrutura. Após décadas, DNIT e
Exército asfaltaram, em
2019, cerca de 50 quilômetros de trecho crítico
da rodovia BR-163, que
passou a ser completamente pavimentada, de
Sinop-MT a Miritituba-PA.
Com isto, ao invés de uma
viagem de quase 2.100km
entre a cidade mato-grossense que integra o Portal
do Agronegócio e o Porto
de Santos-SP, é possível
chegar ao mercado nacional percorrendo
apenas 1.300km, a partir
de Santarém.
Neste cenário intermodal, as hidrovias do Madeira, em Porto Velho-RO,
e do Tapajós, em Miritituba, também tem participação substancial na movimentação no oeste paraense. Afinal, cada barcaça
transporta cerca de 40
mil toneladas de grãos em
uma única viagem.
Os números tendem a
crescer, acompanhando
o aumento da safra dos
grãos brasileiros. Exportadores e operadores portuários estão planejando
testes de transbordo de
granéis sólidos com guindaste flutuantes na área
do Porto no Rio Tapajós.

MARINHA ACOMPANHA SEGUNDO TESTE DE
TRANSBORDO DE GRANÉIS SÓLIDOS COM
GUINDASTE FLUTUANTE, EM VILA DO CONDE.

A Capitania dos Portos da
Amazônia Oriental (CPAOR)
acompanhou, de 11 a 23 de
maio, o segundo teste da operação de transbordo de granéis
sólidos vegetais no Sistema de
transbordo ao largo da empresa
Mega Logística, na área do porto organizado de Vila do Conde-PA. A operação consistiu na
amarração do navio “Ultra Courage” no par de bóias. Foram
carregadas 47 mil toneladas de
granéis sólidos, utilizando um
guindaste flutuante.
O teste, acompanhado por
Inspetores Navais da Capitania
dos Portos da Amazônia Oriental, foi considerado satisfatório
e possibilitou uma alternativa
para carregamento de navios no
porto de Vila do Conde, visando
o escoamento da produção de
grãos no Norte do país.
Um novo teste está previsto para ser realizado ainda no
mês de junho e a conclusão deve ocorrer em agosto de 2021,
após o sistema passar por uma
readequação.

MARES E RIOS

Amanhã, o vice-prefeito
de Belém, Edilson Moura, o
presidente da Federação dos
Marítimos do Pará, Rodolfo
Nóbrega, e representantes de
sindicatos filiados vão se reunir para definir as ações de vacinação contra a Covid-19 dos
marítimos fluviais que trabalham em nossa jurisdição.
O terminal de bauxita da
Alcoa, localizado na cidade
de Juruti, à margem direita
do Rio Amazonas, realizou
51 embarques nos primeiros
cinco meses de 2021. A média foi de dez embarques por
mês. Com estes números, passa a fazer parte da relação dos
grandes terminais do Arco
Amazônico.
A Capitania dos Portos da
Amazônia Oriental (CPAOR)
recebeu a doação de 20 coberturas de eixos para serem
instalados gratuitamente em
embarcações de comunidades
ribeirinhas, durante as ações
de Fiscalização do Tráfego
Aquaviário, no estado do Pará.
A entrega dos equipamentos
foi feita pelo engenheiro naval
Arnaldo Sinésio Guerreiro da
Costa, acompanhado do Cônsul Estrangeiro do Japão em
Belém, Hiroaki Aizawa.
A Corveta Museu Solimões, que fica ancorada no
píer da Casa das Onze Janelas,
no momento, se encontra em
reparos no deck da Base Naval
de Belém. Em breve estará de
volta totalmente recuperada.
Encerramos parabenizando o desembargador Leonam Gondim da Cruz Júnior
que, no próximo dia 10, tomará posse como imortal da
Academia Paraense de Letras
do Estado do Pará. O magistrado foi eleito em março do ano
passado, após reunião dos
acadêmicos, para ocupar a Cadeira de n.6, a mesma ocupada pelo pai, Leonam Gondim
da Cruz, e preenchida posteriormente pela imortal Lucy
Gorayeb Mourão. Leonam obteve expressiva votação, alcançando quase 90% dos votos.

COMO JÁ DIZIAM OS VELHOS MARINHEIROS…
Uma coletânea bem-humorada
dos ensinamentos do mar
1. “Quando todo o resto falha, que tal seguir a sugestão do Capitão?”
2. “Não seja supersticioso. Da azar.”
3. “Coragem é a arte de ter medo sem deixar transparecer.”
4. “Jamais acuse o mar por seu segundo naufrágio.”
5. “Reze em direção ao céu, porém reme em direção à praia.”
6. “Ninguém é perfeito, exceto o Capitão”
7. “Os perigos, muitas vezes, ajudam a salvar nossas vidas.”
8. “Sabedoria se adquire com capacidade, não com a idade”
9. “Não existe maneira certa de fazer a coisa errada.”
10. “O pessimista se queixa do vento; o otimista, ele que mude; E o
realista apenas ajusta as velas.”

luizopinheiro@globo.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios