A homenagem que veio do céu

Coluna Navegação em Foco - Jornal O Liberal

Em dois dias, a fumaça e o colorido dos sete A-29 Super Tucano chamaram a atenção em a Belém
(Celso Lobo)

As apresentações da Esquadrilha da Fumaça não
ganharam apenas os céus de
Belém neste fim de semana.
Ganharam os corações dos
fiéis. Em dois dias, os fumaceiros deram show, deixaram ainda mais espetacular
o centro histórico e, claro, homenagearam Nossa Senhora
de Nazaré com a surpreendente mensagem escrita no
ar “Círio de Nazaré”
Pela primeira vez no Círio,
a Esquadrilha foi um alento
para muitos promesseiros
que não puderam acompanhar as romarias oficiais
mais um ano. Por isso, é
importante valorizar o empenho do Comandante do
Comando Aéreo Norte (I COMAR) Major Brigadeiro do
Ar Mauricio Augusto Silveira
de Medeiros, que não mediu
esforços para que a Esquadrilha se deslocasse para
“interceptar” Belém.
Segundo a FAB, para fazer parte da Esquadrilha, é
necessário ser militar da ativa da Força Aérea Brasileira
e atender aos requisitos exigidos. No caso dos pilotos,
é necessário possuir 1000
horas de voo, sendo destas
500 horas como instrutor na
AFA ou no 2º Esquadrão do
5º Grupo de Aviação, na Ala
10, em Natal (RN). Os candidatos, então, são submetidos
a um processo de escolha
com base na experiência
profissional e operacional, e
ao final são aprovados pelo
Gabinete do Comandante da
Aeronáutica (GABAER), em
Brasília. A equipe de Anjos
da Guarda que esteve nos
sete A-29 Super Tucano por
aqui foi composta por:

1 – TCel Av Garcia
– Aeronave 5963
2 – Cap Av Reis
– Aeronave 5719
3 – Cap Av Furlan
– Aeronave 5734
4 – Maj Av Nunes
– Aeronave 5707
5 – Cap Av Kawka
– Aeronave 5724
6 – Cap Av Moreno
– Aeronave 5712
7 – Maj Av Esteves
e Cap Av Santoro
– Aeronave 5965

CONHECENDO A AMAZÔNIA, FESTIVAL DE CIRANDA DE MANACAPURU/AM 

Ciranda Tradicional foi a última campeã do Festival
Folclórico de Manacapuru, disputado em 2019.

Hoje, navegando pelos
céus ou pelas águas, é possível chegar a Manacapuru,
Região Metropolitana de Manaus, no Amazonas. O Festival da Ciranda que ocorre
na cidade é considerado a segunda maior festa folclórica
e ocorre há 24 anos. Sempre
realizada no último fim de semana de agosto, prestigia três
cirandas: Flor Matizada, Guerreiros Mura e Tradicional.
O Festival contribui para o
turismo e a economia, além
de mobilizar grande parte
da população durante o ano
todo. Afinal, são necessários
meses de ensaios e confecções de fantasias e alegorias,
criando oportunidades de
negócio para os empreendedores locais.
A cada ano, as cirandas
escolhem um tema para desenvolver na arena. As apresentações duram entre 2h
e 2h30 são avaliados itens
individuais, que concorrem
a notas, como Cantador de
Cirandadas, Apresentador,
Porta-Cores, Cirandeira Bela e Princesa Cirandeira. Os
itens coletivos são: Cordão
de Cirandeiros, Cordão de
Entrada, Tocada ou Tocata
da Ciranda, Alegorias, Fantasias de Destaques, Cirandada
(letra e música), Harmonia
Geral, Criatividade e Originalidade e o Tema e Desenvolvimento.
O primeiro festival como
competição aconteceu em
1997, quando a brincadeira deixou as quadras das
escolas para ganhar status
de principal manifestação
FESTIVAL DE CIRANDA DE MANACAPURU/AM
folclórica da cidade. Já no
ano de 1998 o festival mudou de endereço e passou
a ser realizado na recém
construída Arena Parque
do Ingá o “Cirandódromo”.
Foi a partir deste ano, 1998,
que a manifestação tomou
proporções maiores e tornou-se parte da cultura, tomando status de manifestação folclórica. Por causa
pandemia, não aconteceu
em 2020 e 2021.

MARES & RIOS

O atleta paraense Felipe Sanches, que disputou a 58° edição do Campeonato Mundial Militar,
na Rússia, no boxe, veio passar o Círio em Belém.
Há dez anos vivendo no Rio de Janeiro, é um dos
contemplados pelo Programa Olímpico da Marinha (PROLIM).

A fachada do I COMAR ganhou iluminação
rosa (foto). A iniciativa faz parte da campanha
“Outubro Rosa”, que alerta para a importância
da prevenção do câncer de mama.

No dia 19 de outubro às 9:30. A nossa universidade do mar, CIABA, estará completando mais um aniversário. E
neste dia também será entregue o Diploma de
Amigo do CIABA, entre os que irão receber a comenda estão o Comandante do 4º Distrito Naval
Vice-Almirante, Valter Citavicius Filho; Titulares
de Organizações Militares da Marinha, em Belém;
o Presidente da Soamar-Pará, Relton Osvaldo
Pinto; os Práticos Feitosa e Luiz Omar Cardoso
Pinheiro (Nortepilot); entre outros.

As imagens de uma embarcação em chamas
em Chaves, no arquipélago do Marajó, são impactantes. Ao menos 5 pessoas ficaram feridas. Um
tonel de combustível explodiu e ocasionou o grave acidente. Os desafios no transporte de inflamáveis na região é complexo e precisa da atenção
das autoridades e dos mercados locais.

A coluna registra e agradece a mensagem
enviada pelo Comandante Rudajá que, antes de
ingressar na Marinha do Brasil, foi Oficial da Marinha Mercante. E ainda como Praticante de Náutica, em 1966, esteve embarcado com o Comandante Ronaldo Cevidanes, no N/T “Itaparica”, da
antiga FRONAPE, Frota Nacional de Petroleiros. O
Comandante Ronaldo teve sua história contada
na sessão “Recordar é Viver”

Fonte: (CNF) luizopinheiro@globo.com

Por (LCN) @luiscelsoborges

luiscelsoborges@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios