Preço do óleo de palma segue com tendência de alta

Principal insumo utilizado na substituição de gorduras trans, óleo de palma pode faltar no mercado, segundo Abia

O preço do óleo de palma, importante matéria-prima utilizada na produção de alimentos
(pães, bolos, biscoitos, chocolates, margarinas, entre dezenas de outros), e principal insumo
utilizado na substituição de gorduras trans, segue com tendência de alta. A produção nacional
é estruturalmente insuficiente para atender o consumo. Após o mês de junho, quando se
encerra a safra nacional do vegetal, o problema será agravado.
“No momento, o óleo de palma está em período de safra, mas em breve prevemos nova
escassez nos mercados interno e externo. Em média, o insumo representa de 2% a 3% dos
custos de produção da indústria de alimentos, podendo chegar a 5%, 10% e até 40% em
determinados produtos, como massas e biscoitos. A ampliação do plantio do óleo de palma no
Brasil tem se limitado a 2% ou 3% de crescimento anuais, o que é insuficiente para atender à
demanda”, afirma João Dornellas, presidente da Associação Brasileira da Indústria de
Alimentos (Abia).
O dirigente reforça que o óleo de palma é imprescindível na produção de cerca de 50% dos
alimentos industrializados presentes no mercado brasileiro. Além disso, o produto refinado
vem se destacando como a principal fonte de matéria-prima utilizada no esforço de
substituição dos óleos e gorduras parcialmente hidrogenados (OGPH). Para não prejudicar a
produção, o setor de alimentos, que tem como principal representante a Abia, já importa
usualmente o óleo, mas viu a necessidade de aumentar substancialmente o volume de
importação.
A demanda internacional por óleo de palma também aumentou, inflacionando os preços no
mercado externo. Relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a
Agricultura) publicado no início de janeiro mostra que as cotações internacionais subiram pelo
sexto mês consecutivo, devido à queda dos níveis dos estoques mundiais, já que a produção
foi menor nos principais países produtores, enquanto a demanda global manteve-se aquecida.
Os preços na Bolsa de Óleo de Palma da Malásia (Malaysia Palm Oil Board) seguem com
tendência de alta em 2021, atingindo em abril US$ 1,023/t, mais de 100% acima do patamar
de abril de 2020.

Importações

Segundo dados do portal Comex Stat, em 2020 o Brasil incrementou em 69,9% o volume de
importação deste ingrediente em relação a 2019, comprando 243,7 mil toneladas. Para 2021, a
previsão é importar 300 mil toneladas, volume 23% maior. Desse total, dois terços (268,7 mil
toneladas) deverão ser consumidos pela indústria de alimentos.
A Abia entrou com um pleito de redução temporária (12 meses) da alíquota do imposto de
importação do óleo de palma (atualmente em 10%), junto à Camex (Secretaria-executiva da
Câmara de Comércio Exterior), por meio da inclusão da matéria-prima no regime especial da

Lista Brasileira de Exceções à Tarifa Externa Comum (Letec), visto que o setor prevê um
aumento da procura deste insumo para os próximos meses.

Impactos para o consumidor

Além da escassez do óleo de palma, outros fatores estão influenciando fortemente nos custos
de toda a cadeia produtiva da indústria alimentícia. O aumento nos preços de commodities
agrícolas, a variação cambial e o impacto da pandemia são alguns deles. De acordo com
levantamento da Abia, milho, soja e arroz subiram 84%, 79% e 59%, respectivamente, entre
abril de 2020 e abril de 2021. No mês passado, o índice de commodities agrícolas da FAO foi
30,8% superior ao do mesmo mês de 2020, maior patamar deste 2014. No que diz respeito à
pandemia, a estimativa é de que o custo adicional de produção tenha sido de 4,8% em 2020, o
que impactou em até 2,5% o preço dos produtos ao consumidor final.
Matérias-primas e embalagens, que respondem por 65% dos custos de produção dos
alimentos industrializados, também representam um gargalo por conta da oferta reduzida,
agravada pela desvalorização da taxa de câmbio. As resinas plásticas seguem com preços em
alta, e, no caso da folha de flandres, além da restrição da produção interna, os preços
acumulam alta superior a 60% nos últimos seis meses, o que tem gerado forte impacto.
Apesar desses entraves, de janeiro a março de 2021 registrou-se expansão de 2,3% na
produção física (base volume) e de 2,2% nas vendas reais. Os dados anualizados, acumulados
em 12 meses até março, mostram um comportamento próximo ao do fechamento de 2020,
com as vendas reais em alta de 3,5% e a produção física, de 1,2%. No primeiro trimestre de
2021 o número de pessoas ocupadas na indústria de alimentos apresentou alta de 1,7% em
relação ao mesmo período do ano passado.

Pontos relevantes

 776,4 mil toneladas foi o consumo total de óleo de palma pelo Brasil em 2020. A
estimativa para 2021 é de um consumo de 837 mil toneladas;
 De todos os setores, a indústria alimentícia é a que mais consome óleo de palma, com
mais de 50% de participação do total consumido no Brasil;
 Do total de 673 mil toneladas, só a indústria de alimentos consumiu 403 mil toneladas
de óleo de palma em 2020. Para este ano, a estimativa é de um consumo de 450 mil
toneladas, aumento de 12%.

Fonte: Conexão Agro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios