Então é Natal!!!

Coluna ¨Convés Principal¨- (CLC) - Ricardo Monteiro

Dentre do muito que é visto no mundo ocidental, por bilhões de pessoas neste período, a figura de
Papai Noel uma das que mais se destacam, obviamente depois do presépio.
O que pouca gente sabe é que a pessoa que deu origem ao Papai Noel, Nicolau de Mira, existiu de
verdade e gostava do mar e sua gente.
Nicolau foi uma pessoa de família abastada e que seguiu a vida religiosa, vindo a ser bispo em
Mira, na Turquia.
As boas ações praticadas por ele eram tantas, que a fama se manteve através dos tempos,
mesmo após a sua morte, considerada como dia 6 de dezembro.
No entanto, pra se manter por muitos séculos essa fama de pessoa boa e generosa, não se pode
creditar apenas aos presentes que dava, às moedas que distribuía (algumas jogadas durante a
noite pelas chaminés), dotes que dava para proteger moças pobres cujos pais não tinham posses –
o que as obrigariam a ficar solteiras e com forte possibilidade de virem a se prostituir pra se
sustentarem. Certamente, Nicolau fez muito mais que isso.
Consta que dentre as grandes ajudas dadas aos mais pobres, uma que chegou a ser considerado
milagre contou com a ajuda de marinheiros de vários navios mercantes que transportavam trigo e
estavam no porto, em Licia (Mira), com destino a Alexandria!
Nicolau os procurou e os pediu pra tirar um pouco de trigo da carga para ajudar a saciar a fome
que assolava a cidade. Certamente os tripulantes relutaram em atender tal pedido, pois sabiam
que tal carga era aguardada em Alexandria. Mas Nicolau conseguiu convencê-los de que tal gesto
teria as bençãos de Deus e que não seria dada falta da carga no porto de destino. E como tal
aconteceu e a carga foi contada e considerada conforme esperada. Os marinheiros consideraram
um milagre, e esta e outras histórias vivenciadas por marinheiros que tiveram contato com
Nicolau em outros momentos como em viagens de navio que fazia, pois esta era a opção de
transporte preferida por ele. Certamente, também não falta história de tempestades que foram
acalmadas com a presença dele a bordo. Durante séculos, a figura de Nicolau era mostrada com as roupas de bispo, com a mitra na cabeça, sempre representado como distribuindo presentes, numa tradição que se repetia,
anualmente, no dia 6 de dezembro, pois, como tradição da Igreja católica, o dia consagrado aos
Santos é o da sua morte. No caso dele, 06 de dezembro de 350.
A existência de Nicolau tem sido comprovada em estudos, sendo um deles feito sobre os restos
mortais que permanecem na Basílica de São Nicolau. Numa evidência da ligação desse que deu
origem ao Papai Noel, é a peregrinação, que ocorre anualmente no mês de maio à essa catedral,
feita por ortodoxos e católicos romanos. A chegada dos peregrinos é encenada com os sacerdotes
chegando de barco, pra relembrar que foram marinheiros que praticaram um gesto ousado ao
invadirem a catedral de Mira, onde Nicolau tinha sido bispo e lá havia sido sepultado, e roubaram
os restos mortais dele e levaram para Bari, na Itália. Tal gesto dos marinheiros foi pra evitar a
profanação dos restos mortais por parte dos muçulmanos na época das cruzadas.
Segundo Adam English, autor do livro “The Saint Who Would Be Santa Claus” (O santo que se
tornaria Papai Noel – livro inédito no Brasil), a análise dos restos mortais têm fortes evidências de
que são de Nicolau.
Observe que a reverência a Nicolau é tão grande junto aos marinheiros que até em seus
uniformes tem uma lembrança dele:
Estrela de São Nicolau.
Por uma tradição do Oriente, os marinheiros dos mares Jônico e Egeu têm uma “estrela de São
Nicolau”. Para eles, desejar uma boa viagem se traduz na frase “Que São Nicolau leve seu leme”.
Assim, quando virmos essa figura vestida com as roupas vermelha, com cinto e sapatos pretos e
um gorro (que substituiu a mitra) lembremos que ele é, pelo descrito acima, o padroeiro/protetor
dos marinheiros.
Em tempo: a vestimenta que vemos hoje, nas cores da Coca-Cola, realmente é fruto de uma
gigantesca campanha publicitária feita na década de 1930, por essa marca de refrigerantes. Por
isso, em algumas cidades, nesta época de Natal vemos circulando alguns carros da Coca-Cola
enfeitados e com som alto tocando músicas natalinas.
Por tudo isso, lembremos que a bondade, generosidade e amor aos pobres demostrados em vida
por Nicolau, foram praticados procurando seguir os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Logo, como marinheiros não esqueçamos desse bom velhinho que em vida demonstrou predileção
pelos que nos precederam no mar.
FELIZ NATAL pra todos.
(Colaboração de texto: CLC José Menezes Filho)

Marinha realiza “Natal dos Ribeirinhos” junto a
comunidade da Ilha do Combu, em Belém (PA).

O Comando do 4º Distrito Naval, em conjunto com a “Sociedade Amigos da Marinha” (Soamar-PA) e
o “Serviço Social da Indústria” (SESI), realizaram nos dias 7 e 11 de Dezembro importante ação voluntárias denominada “Natal dos Ribeirinhos”.
O evento, promovido anualmente, beneficia as comunidades ribeirinhas carentes no Pará. Nesse ano,
foram contempladas as pessoas residentes na Ilha do Combu, próximo a Belém. Foram doados 800
cestas básicas, 600 brinquedos, 600 livros infantis, 100 kits de higiene bucal, além de coletes salvavidas.

Na programação de sábado (11), houve celebração ecumênica pelos Capelães Navais, orientações de
saúde bucal com militares dentistas, além de palestras sobre segurança da navegação e prevenção ao escalpelamento.

Vice-Almirante Edgar e membros da Soamar-PA participaram ativamente do “Natal dos Ribeirinhos”.

Nas entregas dos coletes salva-vidas, instruções didáticas foram repassadas para crianças e familiares, bem como a importância dos usos das proteções dos eixos dos motores das embarcações.
O SESI teve participação importante com a doação dos alimentos. Já os brinquedos foram arrecadados junto aos membros da Soamar-PA,  fazendo com que o “Natal dos Ribeirinhos” fosse um
sucesso.

Coletes Salva-Vidas foram doados, sendo ministradas instruções de uso por militares da Marinha

Através da campanha “Maré do Saber”, vários livros infantis foram entregues às comunidades do
interior do Pará, através dos navios da Marinha.

Livros infantis foram entregues, através do Projeto “Maré do Saber”.

O Comandante do 4º Distrito Naval, Vice-Almirante Edgar Luiz Siqueira Barbosa, participou
ativamente do evento, tendo as presenças dos integrantes do Hospital Naval de Belém, Capitania dos
Portos da Amazônia Oriental, 2º Batalhão de Operações Ribeirinhas, Comando do Grupamento de
Patrulha Naval do Norte, Centro de Hidrografia e Navegação do Norte, além da Soamar-PA e Sesi-Pará.

Foram entregues cerca de 800 cestas básicas e 600 brinquedos para comunidades carentes no Pará

Instruções para evitar escalpelamentos foram ministradas à comunidade

Doações de brinquedos às crianças carentes da Ilha do Combu.

A Marinha disponibilizou várias embarcações para o “Natal dos Ribeirinhos”

(Colaboração e fotos: Assessoria de Comunicação Social – 4DN).

Hoje, não teremos a seção “Navegando”.
A coluna deseja a todos um Feliz Natal. Jesus está conosco.

Fonte: (RM). ricardo.monteirobr@hotmail.com

Por (LCN) @luiscelsoborges

luiscelsoborges@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios