Relatório do Comércio Mundial 2021 da OMC examina vulnerabilidades e resiliência no sistema de comércio global

Equipe Comex do Brasil

Genebra – A edição de 2021 do Relatório do Comércio Mundial da OMC examina por que o sistema de comércio global interconectado é vulnerável e resiliente a crises como a pandemia COVID-19, como pode ajudar os países a serem mais economicamente resilientes a choques e o que pode ser feito para tornar o sistema mais bem preparado e mais resiliente no futuro.

A publicação emblemática, lançada hoje (16) assinala a necessidade de abordar estas questões face à perspectiva de catástrofes naturais e provocadas pelo homem cada vez mais frequentes e intensas.

O relatório transmite três mensagens principais: primeiro, a economia global hiperconectada de hoje, caracterizada por profundos vínculos comerciais, tornou o mundo mais vulnerável a choques, como desastres naturais e provocados pelo homem, mas também mais resistente a eles quando eles atacam.

Em segundo lugar, as políticas que visam aumentar a resiliência econômica por meio do desenrolamento da integração comercial – por exemplo, reduzindo a produção e promovendo a autossuficiência – podem muitas vezes ter o efeito oposto, reduzindo efetivamente a resiliência econômica. E, terceiro, o fortalecimento da resiliência econômica exigirá mais cooperação global, tanto regional quanto multilateralmente.

Embora a OMC já contribua para a resiliência econômica de maneiras importantes, ela pode e deve fazer mais, à medida que enfrentamos um futuro de crescentes riscos e desastres naturais e provocados pelo homem”, disse a diretora-geral da OMC Ngozi Okonjo-Iweala em seu prefácio à o relatório. “Como vimos com as medidas comerciais relacionadas à pandemia, aumentar a transparência e a previsibilidade é importante para fornecer aos formuladores de políticas e às empresas as informações de que precisam para tomar decisões informadas”.

As negociações em andamento na OMC sobre serviços, investimento, agricultura, comércio eletrônico e micro, pequenas e médias empresas podem criar novas oportunidades para o comércio inclusivo e diversificação, tornando as economias mais resistentes no futuro”, acrescentou ela. “A cooperação internacional revigorada, não um recuo para o isolacionismo, é o caminho mais promissor para a resiliência.”

Os desafios que temos pela frente são muitos e variados. Isso inclui a mudança climática, que está causando aumentos em eventos climáticos extremos, como secas, ciclones e inundações, invasão humana em habitats de animais, o que pode aumentar os riscos de propagação de doenças zoonóticas e desencadear pandemias, e aumentar a incidência de ataques cibernéticos e dados fraude.

O aumento da desigualdade, o aumento da fragilidade econômica e a crescente incerteza política e tensões geopolíticas também aumentam o risco de conflitos e violência. Esses riscos podem interagir uns com os outros e criar um impacto em cascata sobre o meio ambiente, a economia e a sociedade.

O relatório observa que a crise econômica e de saúde em curso causada pela pandemia COVID-19 tem sido um teste de estresse massivo para o sistema de comércio mundial, gerando interrupções sem precedentes nas cadeias de abastecimento globais e aumentando as tensões comerciais entre os países.

No entanto, o sistema comercial se mostrou mais resistente do que muitos esperavam no início da crise. Embora a pandemia inicialmente tenha causado uma forte contração nos fluxos de comércio internacional, as cadeias de suprimentos se adaptaram rapidamente, bens como suprimentos médicos essenciais continuaram a fluir através das fronteiras e muitas economias começaram a se recuperar gradualmente.

O comércio também desempenha um papel fundamental na manutenção do acesso a bens e serviços globais; por exemplo, permite que os países lidem com choques trocando de fornecedor quando as crises interrompem as relações de fornecimento estabelecidas, sejam nacionais ou estrangeiras. As empresas que participam do comércio, especialmente as exportações, têm maior probabilidade de sobreviver às crises econômicas devido à sua maior produtividade, em média, do que as empresas dos setores não exportadores, bem como à sua tendência de ter acesso a mercados mais diversificados.

O relatório afirma que as políticas que visam aumentar a resiliência econômica por meio do re-escoramento da produção, promovendo a autossuficiência e desenrolando a integração comercial podem muitas vezes ter o efeito oposto, reduzindo efetivamente a resiliência econômica. Essas políticas quase inevitavelmente tornam as economias nacionais menos eficientes no longo prazo, visto que, em última análise, aumentam os preços de bens e serviços e restringem o acesso a produtos, componentes e tecnologias.

Uma maior cooperação comercial a nível multilateral ou regional, apoiada por regras comerciais internacionais fortes, pode apoiar as várias estratégias domésticas implementadas para evitar e mitigar riscos e para preparar, gerir e recuperar de choques, observa o relatório. Para este fim, será fundamental reforçar e desenvolver a cooperação existente da OMC com organizações internacionais e regionais, ao mesmo tempo que se promove a coordenação, coerência e apoio mútuo em áreas que vão desde a prevenção de riscos, alívio de desastres e saúde pública até mudanças climáticas, proteção ambiental e estabilidade financeira. apoiar ainda mais a resiliência em face de crises futuras.

Os membros da OMC podem fazer mais para promover a resiliência econômica aprimorando os mecanismos de transparência existentes da OMC em relação às medidas comerciais, esclarecendo o uso apropriado de restrições à exportação de materiais essenciais ou produtos intermediários durante as crises, melhorando a coordenação das políticas de compras públicas para bens e serviços essenciais e avançando no trabalho no comércio eletrônico, micro, pequenas e médias empresas e empoderamento econômico das mulheres para criar novas oportunidades para tornar o comércio mais inclusivo e diversificado e, portanto, mais resiliente.

Fonte: (*) Com informações da OMC

Por (LCN) @luiscelsoborges

luiscelsoborges@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios