O adeus ao Prático Leônidas Craveiro da Silva

Coluna Navegação em Foco - Jornal O Liberal

No passadiço do navio, realizando manobra. Como sempre, realizou essa e todas as outras com perfeição.

O volume de água do Rio
Amazonas aumentou um pouco mais nos últimos três dias,
por conta das lágrimas do Rio
Mar. O gigante chorou pelo falecimento do Prático Leônidas
Craveiro da Silva, ocorrido no
último sábado, 22. Ele que foi
um dos maiores navegadores
do Rio Amazonas. Era considerado, por todos, o “Cobra
Grande do Rio Amazonas”.
Foi o mestre de varias gerações de Práticos.
Sempre foi um profissional
a frente do seu tempo, embora mantivesse a tradição de
ser um Prático raiz: do binóculo, da posição marcada em
terra, do conhecimento técnico do rio, conhecia o movimento das águas barrentas, e
previa os próximos passos da
natureza. “Ali vai nascer um
banco novo na próxima seca!”, costumava acertar. Um
dos mais competentes práticos que conheci.
Usava muito pouco os aparelhos modernos de auxílio à
navegação, tipo GPS, SEAIQ.
Manobrava os navios com conta habilidade que até parecia
que sabiam que estavam sendo manobrados pelo Cobra
Grande.
Foi Prático da SNAPP, ENASA, CNA e, em 1985, passou
a fazer parte do quadro de
Práticos da Associação de Praticagem da Bacia Amazônica
– APBAM. Por fim, Prático da
Empresa de Praticagem do
Norte – NORTEPILOT, sendo
um dos fundadores.

Prático Leônidas
Craveiro “Cobra Grande
do Rio Amazonas”

Foram muitas as contribuições para o desenvolvimento
da Região Amazônica. Como
Comandante na ENASA, comandou o maior comboio
que transportou areia para
a construção da Estrada Manaus/Porto Velho. Já na Praticagem, teve participação
importante na construção do
Terminal de Soja da Hermasa,
em Itacoatiara, atuando na
parte técnica do porto e das
manobras. Vale ressaltar que
o Projeto da Hermasa foi o
pioneiro no transporte de soja
na Região Norte. Por conta de
sua participação neste projeto,
foi carinhosamente chamado
por toda região, inclusive pelo
Jornalista Alyrio Sabbá, como
“Rei da Soja”.
Partiu, porém deixou um
grande legado, e por conta de
sua história na região, seria
agraciado no próximo dia 5
de novembro com a Medalha
de Amigo da Marinha, que deverá ser recebida em memória
por um de seus filhos. Leônidas tinha 73 anos, onde 53
anos ininterruptos foram como Prático do Rio Amazonas. 

MARES & RIOS

Foi preciso o nosso Paysandu sofrer uma goleada no sábado
passado, na Curuzu, para o meu amigo Luiz Rebelo, Presidente
da Empresa de Navegação Bom Jesus, ligar-me. Por um longo tempo, conversamos sobre o período que fui presidente do Paysandu
(2008 a 2012). Ele, assim como eu, torcedor apaixonado, era um
grande colaborador do clube. Tempos bons, hein Luiz?

Na semana que passou, uma das palestras que chamou mais
atenção no XXI CEPE, da Associação dos Diplomatas da Escola
Superior de Guerra (ADESG-PA), foi a ministrada pelo Conselheiro
do TCE, Nelson Chaves, que contou com a presença da Presidente
do Tribunal, Conselheira Lourdes Lima.

Madson Brandão Jr.,Assessor Jurídico; Conselheiro do TCE,
Nelson Chaves; Presidente do TCE, Lourdes Lima; e Delegado da
ADESG-PA, Madson Brandão

O Vice-Almirante Valter Citavicius Filho, Comandante do 4º
Distrito Naval, já está tomando todas as providências para a Cerimônia de entrega da Medalha e Diploma de Amigo da Marinha, a
ser realizada no início de novembro.

Segundo o presidente do Sindicato dos Guardas Portuários,
no Pará, Rodrigo Rabelo, a categoria aguardou, por cinco dias,
úteis a Companhia Docas do Pará se manifestar sobre a assinatura do ACT. Como não houve, os trabalhadores bloquearam portos.
O Porto de Vila do Conde está com acesso bloqueado, mas a classe
garante que pelo menos 50% dos guardas portuários estão em
serviço.

Na última quinta feira, o presidente do Sistema FIEPA e diretor
regional do SESI Pará, José Conrado Santos, e o superintendente
regional do SESI Pará, Dário Lemos, entregaram 500 cestas básicas
para o presidente do Sindicato das Indústrias de Pesca dos Estados
do Pará e Amapá, Apoliano Oliveira do Nascimento, que distribuirá
as doações para trabalhadores da pesca. A ação faz parte de uma
parceria entre o SESI Pará e o Conselho Nacional do SESI.

Como tradição, a Marinha realizou a Cerimônia de Batimento
de Quilha do Navio de Assistência Hospitalar “Anna Nery”, que
será empregado no Pará e no Amapá. O evento simboliza o início
da construção do navio, que trará benefícios para a população
dos Estados.

Por conta do falecimento do meu amigo e prático Leônidas,
deixamos para a próxima terça a seção “Conhecendo a Amazônia”.

(LOP) luizopinheiro@globo.com

Por (LCN) @luiscelsonews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios