Docas do Rio apresenta projetos para os portos em fórum internacional

Por Logística e Negócios

A Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), que administra os portos do Rio de Janeiro, Itaguaí, Niterói e Angra dos Reis, participou da 27ª edição do Fórum Internacional Supply Chain, realizado de 4 a 6 de outubro, de forma exclusivamente online. Durante o evento, do qual a Autoridade Portuária também foi patrocinadora, os maiores nomes da logística e ‘supply chain’ no Brasil e no mundo debateram temas do setor, tais como: Tecnologia, Inovações, Riscos e Sustentabilidade, Planejamento Integrado, Excelência Operacional e Gestão Estratégica, entre outros.

No primeiro dia do Fórum, o diretor de Negócios e Sustentabilidade da Docas do Rio, Jean Paulo Castro e Silva, apresentou a palestra “Portos do Rio – Desenvolvimento de Novos Caminhos”, iniciando por um resumo do desempenho da Autoridade Portuária em 2020. “Em 2020, os portos da Docas do Rio foram o segundo maior complexo na movimentação de cargas, entre os portos públicos, e participaram com 11% do total importado e exportado pelo Brasil”, afirmou o diretor. Somente os Portos do Rio de Janeiro e Itaguaí movimentaram um total de 54,5 milhões de toneladas de cargas e 21,5 bilhões de dólares.

Em sua explanação sobre o Porto de Itaguaí, que possui uma localização estratégica, próxima às Bacias de Santos e de Campos, o diretor ressaltou que “com a esperada chegada da rota 4B, ligando a Bacia de Santos a Itaguaí, há um grande potencial para alavancar o porto-indústria e que o Governo do Estado do Rio de Janeiro pretende desenvolver um pólo petroquímico no local, com o projeto de escoamento de gás natural do pré-sal. Além disso, para atendimento da demanda já existente, existe a possibilidade de realização de operações ‘ship-to-ship’ no porto, que consistem na transferência de cargas de petróleo e derivados diretamente de um navio para o outro sem passar por qualquer estrutura em terra”. Com isso, Jean Paulo acredita que “o porto vai atrair mais cargas de alto valor agregado, diversificar as fontes de receita e abrir novos postos de trabalho”.

Sobre o Porto do Rio de Janeiro, o diretor mostrou a proposta de expansão com o aproveitamento da Ilha da Pombeba para criação de novos terminais portuários. Já no Porto de Angra dos Reis, dedicado atualmente às atividades de apoio à indústria offshore, há áreas disponíveis para intensificar o setor de turismo na Baía de Ilha Grande. Quanto ao Porto de Niterói, o diretor Jean Paulo explicou que a Prefeitura de Niterói pretende ampliar e operacionalizar o terminal pesqueiro e que a Docas do Rio participa do projeto, viabilizando a transferência de propriedade de terrenos vizinhos ao terminal.

Por fim, o diretor discorreu sobre os principais investimentos realizados pela atual gestão para a melhoria da infraestrutura de acesso aos portos, nos modais rodoviário, ferroviário e aquaviário, no intuito de atrair mais cargas, ampliar a eficiência operacional, aumentar a competitividade e elevar as receitas. Diante do crescimento na movimentação e no faturamento dos portos da Docas do Rio, registrado nos três primeiros trimestres deste ano, Jean Paulo destacou que “a previsão de receita total para a companhia de R$ 742 milhões em 2021 já foi atingida ao fim do terceiro trimestre do ano e a expectativa agora é superar a marca do R$ 1 bilhão.”

Fonte: Logística e Negócios

Via (LCN) @luiscelsoborges

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios