Federação Paraense de Remo retoma campeonato

Coluna Navegação em Foco - Jornal O liberal

LaurimarCosta, Diretor de Arbitragem, LuizOmarPinheiro,Colunista e
LucielCaxiado Presidente da FEPAR

A Federação Paraense de Remo (FEPAR), comandada pelo
Presidente Luciel Caxiado, vai
realizar no domingo, 12, a 1ª
Regata do Campeonato Paraense 2021. Em virtude da pandemia do Novo Coronavírus, o
campeonato não foi realizado.
Por conta disso, reina grande
expectativa pela retomada da
competição que terá a participação de Remo, Paysandu, Tuna e Guajará.
O esporte de remo olímpico é
praticado nas águas da Baía do
Guajará há mais de cem anos,
sendo um dos mais tradicionais campeonatos do país e que atrai
muitos espectadores para a Estação das Docas e o Complexo
Ver-o-Rio.
A FEPAR está seguindo as
orientações das autoridades
competentes, que sempre colaboraram para a realização do
evento, Capitania dos Portos,
Bombeiros, polícias Militar e Civil (Polícia Fluvial), assim como
os tradicionais patrocinadores,
as Praticagens Barra do Pará,
Pará River e Nortepilot, além
do Governo do Estado do Pará,
através da Secretaria de Esporte
e Lazer (SEEL).

OPERAÇÃO DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA EM SANTANA/AP

Navio “Warnowborg” em operação no Porto de Santana, no Amapá.

A Companhia Docas de
Santana, no Amapá, está operando, no píer 02, o navio “Warnowborg”, de bandeira Alemã,
que trouxe nos porões 900 Km
de cabos de fibra óptica subaquáticos. Os insumos serão
utilizados no projeto “Amazônia Conectada”, executado pelo
Exército Brasileiro.
O objetivo é lançar 7.800 km
de cabo de fibra óptica de Belém
à Tabatinga para levar internet
de qualidade para toda a região
Amazônica e proporcionar melhor comunicação nas áreas da
educação, saúde e segurança nacional.
Na primeira fase do Projeto, o
navio “Danica Sunrise”, aquele que
subiu o rio Amazonas com velocidade média de 3,5 nós por hora,
já havia transportado os cabos do
trecho Manaus-Tabatinga.
Está sendo feita uma operação “Ship to Barge” do navio
para a balsa “Prates”, com expectativa de que o transbordo
dos cabos seja realizado em dez
dias. O agenciamento Marítimo
e a Operação Portuária são de
responsabilidade do Grupo Serveporto, que tem como Gerente no Amapá, Rubens Silva

CONHECENDO A AMAZÔNIA – RIO AMAZONAS E AFLUENTES DA MARGEM DIREITA

No último domingo, 5, foi
celebrado no Brasil o Dia da
Amazônia. O bioma, segundo
o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), abriga
50% da biodiversidade mundial,
tem mais 5 milhões de km2
(apenas em território brasileiro)
e 4,9 milhões de km2 de bacia.
O Amazonas é o principal representante da Amazônia. Por isso,
seguimos falando do maior
rio do mundo e seus afluentes,
aproximadamente 1.100 rios
compõem um imenso labirinto
que deslumbra os visitantes em
suas viagens. O Rio Amazonas
tem vários afluentes. Na semana passada, falamos do Tapajós,
Xingu e Madeira. Hoje, detalhamos mais dois:
Javari: Esse rio nasce na Serra
da Contamana (400 metros de
altitude), com o nome de Jaquirana, servindo seus 1.180 quilômetros de extensão de limites
entre o Brasil e Peru, banhando o município de Benjamin
Constant. É muito sinuoso e a
foz possui as ilhas de Islândia
e Petrópolis. Mesmo atravessando uma região inóspita com
população escassa, é navegável
por embarcações de pequeno
e médio porte. Inicialmente segue na direção Nordeste até a
confluência com Bará a partir
de onde denomina-se Javari.
Daí até proximidades de Envira
assume a direção Norte e depois
corre novamente pelo Nordeste,
desaguando no Solimões, junto
a cidade de Atalaia do Norte;
Juruá: Nascendo no Cerro
das Mercês (Serra da Contamana) a 453 metros de altitude,
é um dos mais importantes
afluentes da Amazônia, por ser
bastante caudaloso e o mais sinuoso da região. Possui 3.283
quilômetros de extensão e a
largura na foz, em frente a Ilha
Consciência, próximo da Vila
de Tamaniquá (511 milhas de
Manaus), varia de 350-400m.
Banha as cidades de Carauari,
Juruá, Eirunepé, Itamarati, Ipixuna e Canamari. De sua foz até
o rio Tarauacá a largura média
é de 140 metros, caindo para
100-120 metros nos estirões e
80-120 metros nas curvas. Seu
leito pode sofrer variações entre
8-16 metros no nível das águas
entre a vazante e a enchente,
respectivamente. Mais de 1000
quilômetros de seu curso são
navegáveis durante a cheia (janeiro e fevereiro). No período da
seca (maio a setembro) a navegação se restringe a 136 milhas
de sua foz.

MARES & RIOS

Participei, ontem, de um almoço
de longo curso com os amigos Alexandre Carvalho, assessor do Prefeito de
Barcarena, Renato Ogawa, e Ruy Zanardi, executivo do Grupo OCRIM. O
assunto principal foi o bom momento
do setor portuário em nosso estado.

A turma da EFOMM que irá
concluir o curso de Oficiais Mercantes, no final do ano no Centro de
Instrução Almirante Braz de Aguiar
(CIABA), será denominada Turma
“DRAKKAR”. É composta por 109
alunos sendo (75 alunos de Náutica
e 34 Alunos Maquinistas), sendo 91
do sexo masculino e 18 do sexo feminino.

O General de Exército Sérgio da
Costa Negraes, que recentemente deixou o Comando Militar do Norte, já
está em Brasília para assumir, no dia
21, a Secretaria de Economia e Finanças do Exército.
A coluna faz referência ao Capitão de Longo Curso, Ricardo Monteiro, que comanda o gigante do mar,
“N/T André Rebouças”, de propriedade da Petrobrás. Monteiro está navegando no Oceano Índico, ao Sul da
África, com destino a Singapura.

Hoje, celebra-se o 199º Aniversário da Independência do Brasil, proclamada às margens do Riacho do
Ypiranga por D. Pedro I. É mais um
ano sem os tradicionais festejos, principalmente as Paradas Militares, onde
a população gosta de apreciar os desfiles das Forças Armadas. Nossa homenagem, então, é feita com esta foto
da Ilha Fiscal, no Arsenal de Marinha,
no Rio de Janeiro/RJ

(CNF) (LOP)

Via (LCN) @luiscelsoborges 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios