COMANDANTE DE OPERAÇÕES NAVAIS MINISTRA IMPORTANTE PALESTRA NA EGN.

Coluna: CLC - Ricardo Monteiro

O Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Alípio Jorge Rodrigues da Silva, no
último dia 16 de Julho, ministrou importante palestra para os Alunos da “Escola de Guerra Naval”
(EGN), que atualmente estão matriculados no “Curso de Política e Estratégia Marítimas” (C-PEM).
Com o tema “Comando de operações Navais: Desafios e Perspectivas”, o Oficial General de
nossa briosa Marinha do Brasil abordou assuntos relacionados com as atividades em andamento
no Setor Operativo, destacando aquelas realizadas em prol da segurança da navegação e da
proteção marítima.
Em conjunto com as Forças Singulares, o palestrante ressaltou a importância das atividades
subsidiárias realizadas nas fronteiras marítimas e terrestres brasileiras.
O importante evento foi realizado no Auditório “Tamandaré”, dando continuidade às atividades
presenciais do curso, seguindo todos os protocolos previstos pelas autoridades sanitárias, devido 
a pandemia que assola a humanidade.
Também foram apresentados aos Oficiais-Alunos as medidas que estão sendo tomadas
visando à restruturação de algumas organizações militares do Setor Operativo, como o próprio
ComOpNav que criou o “Centro de Doutrina de Guerra Naval” e reformulou o “Centro Integrado
de Segurança Marítima” (CISMAR). O Comando em Chefe da Esquadra está reestruturando os
Comandos Subordinados de modo a incrementar o aprestamento de seus meios navais,
aeronavais e de fuzileiros navais.
O evento contou com as presenças do Comandante em Chefe da Esquadra, do Comandante do 1º
Distrito Naval, do Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, do Comandante Naval de
Operações Especiais e do Comandante do CISMAR.
O Almirante de Esquadra Alípio Jorge, quando na função de Vice Almirante, foi Comandante do 4º
Distrito Naval, sendo bastante prestigiado pela sociedade paraense.
Fonte consultada: Centro de Comunicação Social da Marinha.

ANCHOR TREINAMENTOS MINISTRA CURSOS
OFFSHORE E ONSHORE.

Oficial da Reserva da Marinha, Diretor da Anchor, ao lado do colunista.

A “Anchor” é fruto do trabalho diário e incansável de um Oficial de Marinha da Reserva que
contou com a ajuda de diversos profissionais para levar o conhecimento técnico offshore
e onshore para todo o Brasil.
Digno de nota é a participação deste colunista que em muito contribuiu para o aprimoramento
dos procedimentos de segurança de carregamento e de descarga à luz do ISGOTT para operação
com BUNKER e manobras Ship-to-Ship.
A empresa, fundada em 2015, ministra treinamentos técnicos para profissionais que atuam
em Terminais/Portos e Empresas Marítimas. Descobriu-se um gargalo e uma falta de qualificação
técnica no que tange à treinamento de mão de obra para Terminais, em especial, Graneleiros,
Químicos, Gaseiros e Petroleiros.
Com a ajuda de profissionais da Receita Federal e de alguns Terminais, aprimoraram e
desenvolveram o próprio treinamento de “DRAFT Survey” e para tanto, formaram a melhor
equipe de instrutores para poder ensinar esses assuntos tão específicos e pouco divulgados.
Atualmente contam com uma equipe multi disciplinar composta por oficiais da Marinha Mercante,
profissional doutorado em Engenharia Naval e Peritos Arqueadores da Alfândega.
Seus ex alunos de DRAFT Survey atualmente são Inspetores, alguns trabalham em Terminais em
Barcarena-PA e nas áreas do grande Rio, Recife, Imbituba, etc e outros foram aprovados no
seleto concurso de PERITO ARQUEADOR DA RECEITA FEDERAL em diversas Alfândegas em
todo o Brasil além de se tornarem nossos amigos !
Atendendo à crescente demanda de profissionais qualificados, em 2019 criaram o Curso de Inglês
Técnico para DRAFT Survey e o Curso de BUNKER Survey.
Personalizaram os seus treinamentos de acordo com as necessidades do cliente a fim de
oferecer serviços especializados de consultoria, assessoria e treinamentos/palestras/cursos in
company, além de atuar em atividades de inspeção de DRAFT e de BUNKER Survey.                         Além de prestarem serviços de Consultoria Marítima, também ministram treinamentos
especificados nas Normas Regulamentadoras (NRs), NORMAMs e também, voltados à área
“Offshore”.
Cursos Presenciais são ministrados no Rio de Janeiro, In Company, através de sua plataforma
EAD e em todo Brasil.
Na foto, o colunista com o Presidente da “Anchor”, Sr. Fábio Lobato”, por ocasião de visita técnica
no NT “Oscar Niemeyer” em sua construção no estaleiro “Vard Promar” na Ilha da Conceição, em
Niterói, no ano de 2014.
Para contatos com Anchor:
Nossas redes sociais:
www.anchortreinamentos.com
Instagram:
https://www.instagram.com/anchortreinamentos/
Whatsapp:
021/969852647

NAVEGANDO

Este colunista agradece ao CMG Josué Fonseca Teixeira Júnior pelas palavras dirigidas por ocasião da matéria
publicada anteriormente. Esse Oficial Superior da nossa briosa Marinha do Brasil está levando com toda força e
vigor o Comando da nossa “Universidade do Mar”, o CIABA, no momento delicado de pandemia que vivemos.
Também agradecemos a querida Nathalia Rose, que é leitora de nossa coluna, sempre enviando palavras de
agradecimentos. Ela que trabalha na Diretoria de Portos e Costas (DPC), por onde a coluna circula quando de sua
publicação.
Informações da rádio do cais dão conta de que em uma determinada empresa, algumas pessoas estão sentando
em cadeiras gerenciais, achando que são tronos, portando-se como verdadeiros reis. Como dizia nosso amigo
Alyrio: “formiga quando quer se perder, cria asas”. Eu volto.
Durante a Segunda Guerra Mundial, no dia 28 de Março de 1941, na Batalha de Cabo Matapan, as Esquadrdas
britânicas e italianas se encontraram em Creta, na Grécia. Os italianos foram obrigados a voltar para o porto ao
perder três cruzadores e dois destróieres.
No dia 1º de Abril de 1941, o navio de guerra alemão “Admiral Scheer” volta para Bergen de uma viagem em
busca de navios mercantes, tendo afundado 16. No dia 08 de maio, foi capturada máquina alemã de códigos de
dentro do U-11, pelo HMS “Bulldog”. Isso ajudou os ingleses a decifrar códigos, interceptar sinais inimigos e
localizar grupos de U-boats.
Conforme noticiado pela revista “Portos e Navios” na última semana, atrasos na devolução de contêineres estão
causando transtornos e aumento de custos, alerta longo curso. A Centronave aponta que, durante a pandemia, a
retenção excessiva de contêineres está gerando falta de equipamentos para clientes das escalas posteriores.
Os agradecimentos especiais deste colunista para 1ª Oficial de Náutica Tatiane Rossi Evangelista. Ela que
atualmente está a bordo do NT “João Cândido”. Recentemente operou em Cingapura e já se encontra em viagem
de retorno ao Brasil. Sem dúvida nenhuma é Oficial de alto nível onde deverá chegar ao Comando de navio pelo
seu elevado grau de profissionalismo. Este colunista torce para que isso aconteça.
No dia 28 de Julho de 2021, às 18:00 horas, importante Webinar será realizado com tema “Tendências
Cibernéticas no Ambiente Marítimo”, ministradas por dois Oficiais da Marinha do Brasil. O link será enviado na
véspera do evento. Para participar deverá ser feito inscrição através do link:
https://docs.google.com/forms/d/1uV_FA6v_tBhrU_K95eBE0VYtCPYTqeRN8bMlZnigPIk/edit?chromeless
=1
Um dos navios alemães mais temidos durante a Segunda Guerra Mundial foi o Couraçado “Bismarck” que gerou
vários documentários e um filme lançado no ano de 1960. No dia 18 de Maio de 1941, inicia no norte do Atlântico
a viagem desse navio, juntamente com o Cruzador “Prinz Eugen”. No dia 27 de Maio de 1941, o Bismarck afunda
após intenso ataque dos navios britânicos.
Uma revelação: quando este colunista entrou para a EFOMM-CIABA, em 1994, ao cursar o 1º Ano Fundamental,
tinha o sonho de ser Maquinista. Após a realização do PIM (Programa de Instrução no Mar) no 1º semestre do 2º
Ano, ao embarcar no navio químico da Flumar, NT “Jacarandá”, que não tinha CCM (Centro de Controle de
Máquinas) mudei de opinião. Voltei para a escola e já no 2º semestre do 2º Ano fiz a escolha pelo curso de
Náutica.
Mesmo sendo de Náutica, tenho um profundo respeito pela Seção de Máquinas, onde costumo acompanhar
algumas manutenções realizadas pela mesma. São de vitais importâncias para o navio. Se o Chefe de Máquinas
chegar comigo e disser que o navio não tem condições de sair, com certeza não sairá. O Comandante sempre dirá
a palavra final, porém sua base para a resposta serão o Chefe de Máquinas e o Imediato.
O Chefe de Máquinas Magalhães está se aposentando após uma longa carreira vitoriosa na Marinha Mercante.
Ele que é especialista na classe Suezmax, com vasto conhecimento, inclusive acompanhando a construção no
estaleiro. Posso dizer, sem medo de errar, que para mim, é um dos melhores Chefes das quais tive a honra de
navegar. Alta conduta profissional e disciplinar, estando sempre pronto para atender as demandas. Ele é
merecedor da Medalha de Mérito Marítimo por tudo que fez pela nossa Marinha.
Na data de ontem, retornou ao Brasil depois de uma longa viagem para Cingapura o NT “André Rebouças” que
tem no seu Comando o Capitão de Longo Curso Luciano Santos Rodrigues. Com certeza a viagem foi tranquila,
tendo o Pavilhão Nacional hasteado no mastro da popa.
(RM).

(LCN) @luiscelsoborges

luiscelsoborges@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios