Alterar traçado da Ferrogrão poderia custar mais R$ 2 bi

PODER360 - Repórter BERNARDO GONZAGA

Mesmo com encarecimento, viabilidade da obra ainda para de pé, avalia Martha Seillier, do PPI

Secretária Especial do PPI, Martha Seillier

24.jul.2021 (sábado) 

Mesmo se for necessário uma alteração do seu traçado original, o projeto da Ferrogrão ainda para de pé. É essa a avaliação da Secretária Especial do PPI (Programa de Parceria de Investimentos), Martha Seillier.

Em entrevista ao Poder360, Seillier disse que tem grande expectativa de que o STF (Supremo Tribunal Federal) decida a favor do governo pela liberação da obra. Hoje, o empreendimento está parado devido a uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) que questiona a viabilidade da obra por cortar parte da Reserva do Jamanxim, no Pará.

“O que que vai acontecer se tivermos que rever o traçado da ferrovia? Ela vai ser um pouco mais lenta e bastante mais cara. Mas ainda assim o projeto para de pé. Então, a discussão jurídica não inviabiliza a Ferrogrão. A discussão jurídica permite que ela seja menos cara e com maior velocidade. Se a gente não conseguir os 0,005% do parque que está sendo discutido no STF, a gente desloca o projeto”, disse.

A secretária especial do PPI critica ainda a resistência de governadores em tentar manter o funcionamento de suas estatais de saneamento nas redes dos Estados. Segundo ela, esse atitude dos chefes do Executivo estadual implicará em afastamento de investimento interno nos municípios.

“O novo marco foi na direção certa, os leilões estão acontecendo e os serviços serão universalizados e os governos que resistirem, vão virar os patinhos feios com todas as consequências que isso tem. Os investidores de fora querem projetos que tenham boa escala, retorno, previsibilidade e segurança jurídica, que tenha impacto positivo no meio ambiente e social”.

Quanto ao leilão do 5G, Seillier afirma que tem grande expectativa que o TCU (Tribunal de Contas da União) apresente um parecer técnico favorável ao leilão, ainda que com alguns pedidos de ajustes. A secretária do PPI ressalta ainda que a maior parte dos investimentos que serão feitos acontecerão nos próximos 4 anos após o leilão.

“Os países que largam na frente com essa tecnologia, se tornam muito mais competitivos e crescem mais. Então o Brasil não pode ficar para trás. Além disso, estamos calculando algo em torno de R$ 40 bilhões de investimentos no Brasil todo levando infraestrutura adequada”.

Sobre a desestatização da EBC, Martha Seillier disse que ainda está em processo de estudo, que será contratado pelo BNDES para avaliar se é lucrativo Estado vender a empresa.

“Os estudos [de capitalização] vão levantar os cenários. A avaliação é: a gente precisa de um braço estatal para prestar esse serviço ou a gente pode contratar a mercado? É o que os consultores vão avaliar, junto a um comitê interministerial criado para fazer esse acompanhamento, que envolve Ministério da Economia e Ministério das Comunicações”.

Martha Seillier disse ainda que no 1º semestre o governo conseguiu cerca de R$ 55 bilhões em investimentos e que o leilão de Eletrobras deverá acontecer em fevereiro de 2022, após passar pelo TCU e ela assembleia de acionistas da estatal.

Fonte: PODER360

(LCN) @luiscelsoborges

luiscelsoborges@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios