Arco Amazônico ganha mais um berço

Coluna Navegação em Foco, Jornal O Liberal

O Porto de Santana, no Amapá, realizou ontem, o primeiro embarque de grãos no píer 1. O
navio honconguês “Iwagi Island” recebeu de 12
mil toneladas de farelo de soja da Caramuru Alimentos. A estrutura, que é construída sobre o rio
para ancorar embarcações, era utilizada apenas
em operações de navios de petróleo. Agora, é possível realizar transbordo de grãos de barcaças
para navios atracados no Porto.
O agenciamento e a operação portuária ficou a
cargo da Severport. A manobra foi realizada pelo
Prático da ZP1, Klaus Dias Pflueger e transcorreu
dentro da normalidade. Santana vai aumentando
a participação no volume de carga embarcada na
Arco Norte, caminhando para ser destaque entre
os Portos de maior movimento da região.

VII ENCONTRO NACIONAL DE PRATIGAGEM

No jantar de encerramento, Almirante de Esquadra Marcus Vinicius
(na época CMG Capitão dos Portos), Advogado Ferdinando Domingues,
Manobrado Almirante Hernani Fortuna e o Prático Evandro Rebelo.

Em 1994, o Conselho Nacional de
Praticagem (CONAPRA) realizou, pela
primeira vez, o Encontro Nacional em
uma cidade do Norte do Brasil. As Associações de Praticagem da Barra do Pará
e da Bacia Amazônica organizaram o
evento que durou cinco dias em Belém.
O encontro, que aconteceu no antigo Hotel Hilton, contou com a a participação
de quase todas as empresas do país.
Na programação do evento, assuntos
ligados à segurança da navegação e organização dos Práticos em associações
em níveis estadual e nacional. O assunto
mais importante foi, talvez, a organização da Praticagem de Itacoatiara/Tabatinga, na época Praticagem dos Rios
Orientais da Amazônia (PROA).
Na época, o CONAPRA era presidido
pelo Prático do Rio de Janeiro/RJ, sr. Melo. O vice-presidente era sr. Eloy, Prático
de São Sebastião/SP. No enceramento do
Encontro, foi oferecido um grande jantar
que contou com a presença de várias autoridades marítimas, entre elas, o Almirante de Esquadra Hernani Fortuna, um dos palestrantes do evento.

A PRIMEIRA LANCHA DA PRATICAGEM DO AMAZÔNAS

O Pratico Hugo Botelho, inspecionando
a lancha “Guará” no local de fabricação.

Os Práticos da Bacia
Amazônica foram os últimos a constituírem uma
associação no Brasil. A
organização aconteceu
em 1970. Onze anos depois, compraram a primeira lancha. Até então,
os Práticos embarcavam,
na Fazendinha, no Amapá, em catraias – barcos
regionais chamadas do
popopô por aqui. Os
agentes de navegação
disponibilizavam estas
embarcações também
para as Autoridades Portuárias que visitavam os
navios. Eram tempos difíceis, porém, prazerosos .
Nos anos 80, o embarque de Práticos na Fazendinha teve um aumento considerável em relação
aos anos anteriores. Isso
ocorreu, por que o Amazonas começou a receber
navios de grande porte e
que não podiam navegar
na região dos Estreitos
de Breves.
Com isso, a Praticagem
pode realizar investimentos em infraestrutura. O
primeiro passo foi a aquisição da saudosa lancha
“Guará”.

MARES & RIOS

A FENAPA e Sindicatos
Filiados estão convocando
todos os aquaviarios dos
Estado do Pará e Amapá
para reunião da Assembleia Geral Extraordinária.
Na pauta, as deliberações
das propostas a serem feitas ao SINDARPA, buscando a celebração do Acordo Coletivo de Trabalho
2021/2022 que irá ocorrer
amanhã, às 9h, no salão
paroquial da Igreja de
São Raimundo Nonato, na
Avenida Senador Lemos,
nº 1054.
Foi comemorado ontem
o 41º ano do ingresso da
Mulher na Marinha do
Brasil. O corpo Auxiliar
Feminino da Reserva da
Marinha foi criado pelo
Almirante de Esquadra
Maximiano Eduardo da
Silva Fonseca, o então Ministro da Marinha de 1979
a 1984. Hoje, temos mulheres ocupando cargos
estratégicos, como a CMG
Médica Monica Luna, Diretora do Hospital Naval de
Belém.
A Companhia Docas do
Para (CDP), por intermédio
da Diretoria Executiva, está prestando informações
sobre a retirada do navio
libanês “Haidar”, que naufragou com cinco mil bois
vivos, no Porto de Vila do
Conde, em 2015. O Governo Federal, através do Ministério da Infraestrutura,
contratou uma empresa
especializada que fará, no
dia 11 de Agosto, a flutuação do navio.
A Marinha resgatou
uma família indígena que
estava à deriva no Rio Solimões. Todos foram lançados no rio quando um
tronco atingiu o casco da
embarcação em que estavam. A família foi resgatada em boas condições de
saúde e transportada para
o Porto de Tabatinga-AM.
Até 31 de agosto, sob
coordenação do Conselho
Nacional da Amazônia
Legal, Marinha, Exercito e Força Aérea estarão
combatendo delitos ambientais na Amazônia.
O objetivo da operação é
coibir crimes ambientais,
especialmente o desmatamento ilegal na região.
Após 106 dias, o navio
“Ever Given” é liberado pela autoridade do canal de
Suez. O navio está finalmente pronto para zarpar
do Egito. O período de cativeiro foi imposto pela autoridade do Canal de Suez
(SCA) após o bloqueio de
uma das principais rotas
marítimas mundiais.
Depois de 133 horas de
viagem, com três falhas de
máquina e um fundeio, os
Práticos Feitosa e Quidere
desembarcaram ontem
em Itacoatiara, no Amazonas, no final da tarde. Eles
estavam embarcados no
navio “Danica Sunrise”. O
navio andou, em média,
4.5 nós por hora e entrou
na relação dos navios que
tiveram as viagens mais
longas no trajeto entee
Fazendinha/AP e Itacoatiara/AM.

luizopinheiro@globo.com

(LCN) @luiscelsoborges

luiscelsoborges@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios