Real digital começará a ganhar forma a partir de julho; entenda a ideia

PODER 360 - Banco Central vai realizar 7 lives para debater o formato do govcoin, previsto para 2022 ou 2023

 BC (Banco Central) vai realizar uma bateria de seminários a partir deste mês de julho sobre o real digital. O objetivo é entender o que a sociedade gostaria de ver na moeda digital para avançar no desenvolvimento do “govcoin”. O real digital deve ser uma realidade em 2022 ou 2023.

O BC avalia a possibilidade de emitir uma moeda digital desde 2020 e, recentemente, publicou as diretrizes do que será o real digital. A ideia é emitir uma moeda digital que seja equivalente ao real e possa ser usada no varejo, com ou sem acesso à internet.

“govcoin” não se confunde com criptomoedas como o Bitcoin porque terá o lastro da autoridade monetária. Será uma CBDC (Central Bank Digital Currency), algo que também vem sendo estudado em outros 55 países, segundo levantamento realizado pelo BIS (Banco de Compensações Internacionais) com 65 bancos centrais.

O real digital será emitido pelo BC, mas distribuído e custodiado pelo sistema financeiro. A autoridade monetária preferiu manter a intermediação financeira porque avalia que os bancos conhecem o perfil dos clientes financeiros e podem contribuir com a segurança do real digital.

O BC espera, contudo, que a moeda digital reduza o uso do dinheiro em espécie e facilite o uso da moeda brasileira no exterior. Também espera-se o desenvolvimento de novos serviços financeiros. Entre eles:

  • contratos inteligentes;
  • dinheiro programável;
  • meio de liquidação para a internet das coisas.

Essas diretrizes serão discutidas com a sociedade a partir de agora. O objetivo do BC é colher sugestões para aperfeiçoar o projeto da moeda digital. Os seminários começam em 29 de julho e vão até novembro de 2021. Eis a programação:

  • julho: Potenciais do Real em formato digital;
  • agosto: Cidadania, Segurança de dados, sigilo e rastreabilidade;
  • setembro: Operações offline;
  • setembro: Smart contracts, IoT e dinheiro programável;
  • outubro: Emissão & Movimentação;
  • novembro: Integração internacional;
  • novembro: Tecnologias para emissão e compatibilidade com arranjos existentes.

Por conta dessa bateria de seminários, a moeda digital é um projeto de longo prazo. O BC espera que a nova moeda seja uma realidade no fim de 2022 ou em 2023. Dependerá da implementação do Open Banking, que atrasou pela 2ª vez o cronograma. Eis o calendário de trabalho do BC:

  • seminários – de julho a novembro de 2021;
  • análise das contribuições da sociedade;
  • prova de conceito – pelo menos 6 meses;
  • projeto piloto – no 2º semestre de 2022;
  • lançamento – fim de 2022 ou início de 2023.

Ao Poder360, o coordenador dos trabalhos sobre a moeda digital do BC, Fabio Araujo, disse que não é possível acelerar esse processo, para que a moeda digital atenda aos interesses e tenha a adesão necessária por parte da população. Eis a entrevista com Fabio Araujo:

Qual o objetivo do real digital?

A nossa principal motivação é criar um ambiente em que você possa ter novos modelos de negócios que apliquem as tecnologias que hoje estão disponíveis apenas no ecossistema de criptoativos, que é muito arriscado para que as pessoas, em geral, trabalhem nele. Nós reconhecemos que o sistema de criptoativos tem funcionalidades interessantes que seriam importantes dar acesso à população em geral; mas, por outro lado, do jeito que o ecossistema está desenhado hoje, é muito arriscado para as pessoas e as empresas entrarem.

Quais modelos de negócios podem surgir a partir da moeda digital?

Com a CBDC e o Open Banking você pode criar um sistema para que as pessoas consigam ter acesso a smart contracts, dinheiro programável, dar acesso a um meio de liquidação seguro para a internet das coisas. Esse é o mote principal. Outro uso importante seria fomentar a redução do uso do dinheiro em espécie, porque é um custo elevado para o país. É mais de 1% do PIB. Isso é compatível com o que outros países gastam. Mas, se conseguir reduzir à metade o uso, dar mais uma ferramenta de acesso a mecanismos digitais e as pessoas aderirem, vai ter economia de 0,5% do PIB, por exemplo. É uma economia muito importante e isso aumenta a eficiência.

O coordenador dos trabalhos sobre a moeda digital do BC, Fabio AraujoDivulgação/BC

Como será o processo de desenvolvimento da moeda digital?

Estamos numa fase de discussão com a sociedade. Após a fase de discussão, nós pretendemos passar para a fase de prova de conceito para testar algumas técnicas que se enquadram nos casos de uso que os participantes do mercado levantarem. Depois, quando a gente tiver arredondado essas questões técnicas, a gente vai passar para a próxima fase, de pilotos, de laboratórios, onde a gente vai ter a oportunidade de que as pessoas participem e façam o uso. A gente vai medir a adesão e como isso vai afetar os outros meios de pagamentos. A gente espera que realmente apareçam muitos outros novos serviços, principalmente com o Open Banking, todo o fluxo de informação bancária, que permita com que as pessoas possam ter acesso a novos serviços no sistema financeiro que serão viabilizados com a CBDC.

É um trabalho que não se esgota em 2021?

A gente não pode acelerar esse processo. A gente tem que criar as fundações necessárias para que o CBDC tenha alcance na sociedade. Se a gente sair hoje com a CBDC sem nenhuma possibilidade de troca de informação de outras empresas, não vai ter diferencial em relação ao que a gente tem hoje. O real digital tem que ser uma evolução, com base no Pix e no Open Banking, ou não vai ter muita aceitação. Precisamos de mais infraestrutura, mais fluidez na troca de informações do sistema para que novos modelos de negócios possam florescer.

Outros países também têm avançado nas CBDCs, mas os projetos parecem mais restritos. A govcoin brasileira será mais ampla do que os projetos conhecidos até então?

A gente tem conseguido colocar produtos do BC à disposição da sociedade que estão de acordo com o melhor padrão internacional, como o Pix e o Open Banking. Então, a gente quer manter esse padrão de qualidade. Tenho certeza que, se a gente conseguir promover a integração adequada desse meio de pagamento e liquidação que é a CBDC com o fluxo de informação que o Open Banking vai disponibilizar e tiver ativos registrados de forma virtual –a tokenização– de maneira robusta, a gente vai ter uma das CBDCs mais modernas do planeta, porque a maioria dos países está pensando em resolver problemas que a gente já resolveu, que não são problemas especificamente para a gente agora.

Uma das diferenças entre a CBDC e as moedas digitais privadas é que as CBDCs seriam seguras e rastreáveis. Como isso vai funcionar no Brasil?

A tecnologia hoje do sistema é adequada e a gente pode trazer até mais níveis de criptografia com escolhas tecnológicas que podem ser aplicadas no real digital. É importante que as pessoas tenham conforto em fazer operações sem achar que tem alguém bisbilhotando o que eles estão fazendo. A gente tem que ter um mecanismo de rastreabilidade, mas os mecanismos só podem ser acessíveis sob ordem judicial. Essa é nossa meta, fazer um sistema que seja minimamente invasivo para as pessoas, mas que garanta segurança das operações que estão sendo feitas.

CRIPTOATIVOS & GOVCOIN

A tecnologia por trás do real digital é similar à utilizada nos chamados criptoativos (o mais famoso deles é o Bitcoin). São ativos que não têm regulação específica de países, negociados ao livre mercado.

Por não terem vinculação com os países, não estão sujeitos às amarras e burocracia dos Estados. Mas são mais suscetíveis a transações que envolvem atividades ilícitas.

Apesar de ser visto como um investimento, os ativos também podem ser usados para o pagamento de produtos na internet. No mundo real, a Tesla foi a 1ª grande empresa a aceitar o pagamento em Bitcoin. Voltou atrás depois, ao demonstrar preocupação com o gasto de energia. Mas o presidente da empresa, Elon Musk, disse que pensa em retomar.

O Poder360 entrevistou o diretor-executivo da ABCripto (Associação Brasileira de Criptoeconomia), Rodrigo Monteiro, para saber dos efeitos no mercado de criptoativos com a criação de moedas soberanas digitais, como o real digital.

Para ele, é uma mudança indiferente, porque os conceitos são diferentes. Enquanto os ativos são descentralizados, a moeda digital só pode ser emitida por uma autoridade monetária.

“Os criptoativos são ativos. O valor varia conforme a demanda e a oferta. Por isso que a gente vê variações nos preços de bitcoins, etherium, etc. As moedas digitais não são ativos, são moedas. Então, os preços delas não variam com o tempo, exceto pela inflação, que tira o valor da moeda. Se o Banco Central emite R$ 10 hoje, daqui a 1 mês vai valer R$ 10”, disse.

Ele acrescentou: “Eventualmente, esses R$ 10 não compram as mesmas coisas, não têm mais o poder de compra, porque a inflação corroeu parte do valor. Mas esses R$ 10 não são empregados, não forem utilizados, eles não vão valer nem R$ 11, nem R$ 12 nunca. É bastante diferente”.

Rodrigo Monteiro avalia que haverá uma aceitação maior aos criptoativos como meio de pagamentos. E disse que o real digital nunca será “concorrente”.

“É como uma complementação. Assim como as pessoas investem em ações, dólar e outros ativos, mas a sua vida está em moeda soberana. Os criptoativos não têm lógica cíclica. Quando a economia está em recessão, o preço do ouro tende a subir, o dinheiro perde valor. Os criptoativos são diferentes, têm uma lógica própria e uma dinâmica específica. Serve, portanto, para você diversificar a carteira de investimentos para algo que é contracíclico aos movimentos naturais da economia”, afirmou.

O CEO da FinTrender, Gustavo Cunha, disse que o real digital também não vai acabar com o dinheiro em espécie. “A pandemia acelerou a digitalização dos pagamentos. No futuro, tudo vai ser digitalizado. Mas não acaba da noite para o dia. Vai ser um processo paulatino”, afirmou.

Para Cunha, o real digital deve ter uso muito parecido ao de uma carteira digital, como as que existem hoje nos bancos. “Essa carteira poderia ser do BC, mas o Banco Central do Brasil não vai por esse caminho e os bancos continuarão como intermediários”, disse.

O especialista disse que o BC vai manter a intermediação bancária porque teria que controlar as contas correntes de todos os brasileiros que aderirem à moeda digital, o que não é uma atividade típica de bancos centrais hoje. Para ele, o modelo segue os padrões discutidos em outros países.


Fonte: PODER 360. Reportagens:  e 

(LCN) luiscelsoborges@hotmail.com   @luiscelsoborges

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios