Romaria fluvial homenageia São Pedro no Marajó

Coluna Navegação em Foco, Jornal O Liberal

O dia 29 de junho é de homenagens a São
Pedro, o “santo das chuvas”. Mas, a importância
dele vai além do tempo. Foi o primeiro Papa da
história da Igreja Católica. Hoje, Francisco é o
266º. Além disto, trabalhava como pescador na
região do mar da Galileia, hoje parte de Israel.
Ao lado do irmão André, foi um dos primeiros
discípulos de Jesus. Ambos faziam parte do
grupo dos 12 apóstolos, junto de outros pescadores, como Tiago e João. Por esta razão, São Pedro é considerado o padroeiro dos pescadores.
Em Salvaterra, no arquipélago do Marajó, a
colônica de pescadores promove, há mais de 50
anos, uma extensa programação. Além de uma
procissão que percorre as ruas do município
com a imagem do santo, uma romaria fluvial
teve a participação de cerca de 40 embarcações
que saíram do Porto dos Botes em cortejo pelo
rio Paracauari. Houve também homenagens em
Soure, município vizinho a Salvaterra.

NOVO SISTEMA 100% DIGITAL

No mesmo dia, o Governo Federal anunciou mudanças no cadastramento e recadastramento dos pescadores profissionais de todo o país.
Todo o procedimento será realizado de forma
100% on-line pelo Sistema Informatizado do
Registro Geral da Atividade Pesqueira – SisRGP
4.0. Segundo o governo, o novo sistema é mais
seguro, rápido e permitirá o cruzamento de dados, o que beneficiará os profissionais da pesca,
combaterá as fraudes e permitirá a desburocratização do processo e a garantia a direitos, como
o recebimento do seguro-defeso.
Os pescadores profissionais atuantes no país,
seja na categoria artesanal como na industrial,
acessarão o sistema diretamente, sem intermédio de associações e entidades, conhecidas como colônias. Após o preenchimento de todos
os dados e informações necessários, o pescador
receberá imediatamente a carteira de pescador
em formato digital com QR Code. Em médio
prazo, será necessário avaliar se a política pública conseguirá superar os desafios impostos
à regiões como a Amazônia, especialmente nas
áreas de telefonia e logística.

RECORDAR É VIVER

NAVIOS DE TURISMO NO RIO AMAZONAS.

Os Práticos Jose Mario Rosseti e Lairton Rebelo (de frente) em um
jantar a bordo do M.S Itália em novembro de 1973

O registro é do jantar que acabara de
ser servido aos Oficias do navio M.S. “Itália
C”. Além da elegância dos uniformes dos
tripulantes, a movimentada cena mostra o
requinte das cadeiras forradas com couro,
toalhas de mesas xadrez italiano e pratos
harmonizados pelo sommelier de vinho.
Os Práticos Jose Mario Rosseti e Lairton Rebelo, sentados de frente, puderam apreciar
momentos como este.
Até os anos 1990, as agências tinham
um lista de Práticos “preferenciais” para atender os navios. Na época, era cobrada uma taxa extra de exclusividade,
afinal, a maioria não gostava de servir
em navios de turismo. Tradicionalmente, navios começam a ser avistados pelo rio Amazonas em Outubro, mês que
turistas podem aproveitar o verão com
menos chuvas e, em passagens por Belém, a quadra Nazarena. A alta temporada costuma ir até março, com a chegada
oficial do inverno por aqui.
Nos anos 1960, estas viagens eram
despachadas pela “Agências Mundiais”.
Depois, mudou de nome e passou a se
chamar “Expresso Mercantil” e, por fim,
os navios passaram a ser atendidos pela
“ISS Mariner”, que tinha a frente Gilberto Costa – um profundo conhecedor no
agenciamento de navios de turismo desde o tempo da Agências Mundias.
Eram dois tipos de rotas dos navios, os
de exploração de menor porte que faziam
várias paradas ao longo do rio Amazonas,
e os clássicos de portes maiores que paravam em Santarém , Parintins e Manaus,
e as partidas eram de Belém ou Macapá.

UMA VIAGEM DO BRASIL PARA O JAPÃO

O CLC Gustavo ao lado do Primeiro Oficial Nélio, atual
gerente de empresa que opera navios DP, e do Segundo
Oficial Cezar Augusto, hoje Prático da Bacia Amazônica.

Em 1979, o navio tanque O/O “Juruá”, da Fronape, fez a viagem do
Brasil rumo ao Japão. O
Comandante de Longo
Curso, Carlos Gustavo
Mercês de Carvalho, foi
quem teve a missão de
atravessar as águas oceânicas, em segurança, até a
“terra do sol nascente”.
Gustavo foi formado
pela Escola de Marinha
Mercante do Pará (EMMPA) em 1960 e dedicou
uma vida marinheira devotada desde o estágio como Praticante de Náutica
até os últimos serviços na
Fronape.
Belenense do bairro
Batista Campos e torcedor do Paysandu Sport Clube,
desfruta, hoje, de merecida aposentadoria ao lado
da esposa Lucia Carvalho,
que esteve na inesquecível
viagem para o Japão.

MARES & RIOS

Este colunista se solidariza com a tripulação do
Navio Nacional “HB Tucunaré”, comandada pelo CLC
Mesquita. A embarcação estava fundeada em Macapá/
AP, aguardando ordem para seguir para Porto Trombetas, no Pará, quando foi
atacada por piratas na noite
de segunda-feira passada.
O Comandante está indignado porque foram emitidos pedidos de socorro
para todas as autoridades
locais. Até quando isto vai
acontecer?
Mesmo a TV Liberal alertando, o trapiche de Icoaraci voltou a apresentar problemas. Parte da estrutura
afundou ontem de manhã.
É um transtorno para milhares de pessoas, entre
barqueiros e passageiros,
que precisam passar por lá
todos os dias.
Logo mais, a convite do
CMG Josué Fonseca Teixeira Junior, Comandante do Centro de Instrução “Almirante Braz de
Aguiar” (CIABA), a coluna
“Navegação em Foco” estará na Universidade do
Mar para conhecer as instalações da instituição e
participar de um almoço
de longo curso.
Os parabéns de hoje vão
para o casal Mecenas e
Dora Gonçalves, que estão
completando 49 anos de
casados. Por parte dos amigos, reina grande expectativa para a festa que deve
acontecer daqui a um ano,
quando o casal vai comemorar bodas de ouro.

luizopinheiro@globo.com

(LCN) luiscelsoborges@hotmail.com

Twitter: @luiscelsoborges

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios